Decoração com cortinas

As cortinas são lindas, podem mudar totalmente o ambiente e transformar a decoração. Porém muitas pessoas tem dúvidas de como decorar esse ambiente, qual o tipo de cortina usar, quais as tendências e modelos de cortinas que estão na moda. Sequinhas ou volumosas, sóbrias ou coloridas, elas podem ser coadjuvantes ou até protagonistas da decoração.

 

Estampas

Marcantes nos anos 70 e nos ambientes retrô, as cortinas estampadas voltaram com tudo. Se os móveis e as paredes forem neutros, basta um tecido com poá ou flores para marcar bem o estilo. No caso da mobília ou das paredes coloridas, prefira cortinas pastel.
Outros estilos também aceitam certas estampas: adamascadas, com riscas de giz, arabescos e xadrez, nos clássicos; chevron, nos modernos; e tribais e animal print, em decorações coloniais. Se o objetivo é não definir um tema ou evitar erros, opte pelas listras e estampas geométricas e sempre siga a regra: espaços pequenos, estampas menores; ambientes amplos, maiores.

 

Tecidos x Estilos

Ambientes clássicos pedem opções nobres como a seda, o shantung, o voile e o dupion, franzidos com um pouco de volume. Além do algodão, tecidos transparentes, como a seda e o voile, são boas alternativas para casas modernas, desde que usados sem volume. Esses tipos permitem que a paisagem permeie o interior e faça parte da decoração.
Os cômodos rústicos pedem materiais naturais, como a palha e o linho. O linho traz muita elegância e pode ser usado também na confecção de xales.
Mesclar tecidos, embora possa ficar requintado, pode ser arriscado, é recomendado um único tecido, de cor, padrão e modelo iguais, para evitar erros.

 

Cortinas-persianas

Elas economizam espaço, vedam a luz, podem bloquear frio e calor e estão disponíveis em vários modelos e tecidos. As mais utilizadas são a Silhouette e a Pirouette. A primeira oferece níveis diferentes de privacidade, escurecimento e visibilidade, e é feita de tecido translúcido com lâminas verticais. Já a Pirouette traz total privacidade, quando necessário, e controla a luminosidade por meio de um sistema que recolhe os gomos do tecido. A romana também é bem cotada e, podendo ser confeccionada em seda, fibras naturais, blecaute de vinil ou tela solar, causa efeitos diversos de luminosidade. Além disso, está disponível em diferentes padronagens e, por isso, é capaz de tematizar os ambientes, bem como as cortinas convencionais.

 

Amplitude

Se o pé-direito for baixo e o desejo for por um aspecto visual de maior altura, deve-se apostar nas pregas verticais. Tecidos com a mesma cor das paredes ou em tons próximos também geram efeito. De volta às lâminas em sentido vertical, elas podem servir para acompanhar portas de correr para que, quando abertas, não obriguem o recolhimento da cortina. Já as pregas, costuras e listras horizontais achatam o ambiente, ou seja, diminuem a altura e aumentam a largura. Nesse caso, invista nas romanas, colmeias de tecido ou persianas de madeira, bambu ou alumínio.

 

Fuja de acessórios

Pingentes, abraçadeiras, penduricalhos e bandôs cheios de curvas e camadas para cobrir os trilhos estão em baixa na decoração. Essas cortinas pesadas e cheias de ornamentos não conversam mais com a tendência atual, em que se busca mais leveza. A sobreposição de cortinas também está em desuso, pois deixa a decoração carregada e acumula pó. Hoje, cada vez mais, as pessoas buscam praticidade.