Olheiras: Origem do problema pode ser hereditário e pode piorar com fatores ambientais

Olheiras têm diferentes causas e tratamentos devem ser personalizados

O rosto é o nosso cartão de visitas, mas infelizmente os primeiros sinais de envelhecimento surgem exatamente na região da face. As olheiras, cujo nome médico é hiperpigmentação periorbital, é um problema comum que atinge mais frequentemente as mulheres. Embora não tenha impacto na saúde física, as olheiras afetam a autoestima e a qualidade de vida. Isso porque essa condição interfere na aparência facial, causando um aspecto de cansaço, tristeza ou até mesmo de ressaca, o que pode comprometer a vida social e profissional de quem sofre com esse problema.

A olheira é a diferença de cor entre a pele que reveste as pálpebras e o restante da pele facial. A região ao redor dos olhos, que chamamos de periorbital, é uma das primeiras áreas a mostrar os sinais do envelhecimento. Além das rugas e da flacidez, é muito comum ocorrer a hiperpigmentação dessa região, ou seja, as temidas olheiras.


1. De onde vêm as olheiras?
A origem das olheiras é complexa e inclui diversos fatores. As causas podem ser primárias, quando há fator genético envolvido, ou secundárias quando há apenas fatores ambientais. Não há uma definição exata de sua origem, mas hipóteses sugerem fatores como hereditariedade, excesso de exposição solar, hiperpigmentação pós-inflamatória, excesso de vascularização subcutânea, hipertransparência da pele, edema periorbital e herniação da gordura palpebral como as causas mais prováveis. 
Os descendentes de árabes, turcos, hindus e ibéricos costumam herdar essa característica geneticamente. Mas ela pode se agravar se a pessoa se expuser aos fatores de risco, como fumar, consumir álcool em excesso, dormir pouco e fizer uso de certos medicamentos. Portanto, encontramos condições mistas. Outros fatores de risco envolvidos nas olheiras são as doenças alérgicas, como rinite e asma, doenças que atingem os rins, coração e tireoide. 

2. Quais são os tipos de olheira?
Como há diferentes tipos de olheiras, é preciso cautela nos tratamentos. Cada paciente irá demandar uma ou mais terapêuticas diferentes, mesmo porque raramente a olheira é causada por apenas um fator. A melhora dos “olhos escuros e cansados” é feita por combinações de tratamento.

  • Pigmentar (olheira verdadeira): olheiras que surgem pelo acúmulo da melanina. O tratamento deve ser realizado em conjunto com o dermatologista, que geralmente aplica laser para melhora do quadro.
  • Muscular: ocorre quando há hipertrofia do músculo orbicular pré-tarsal: O tratamento com toxina botulínica alcança bons resultados.
  • Bolsa de gordura: por protusão (protuberância) das bolsas de gordura inferiores. O tratamento é feito por meio da blefaroplastia (cirurgia de pálpebras) inferior transconjuntival ou transcutânea.
  • Sulco Nasojugal: ocorre pela formação de sombra abaixo dos olhos por evidência do ligamento palpebromalar (ou sulco nasojugal). O tratamento é feito com preenchimento com ácido hialurônico


3. Como a toxina botulínica melhora aspecto da olheira?
Quando a pessoa sorri e fica um “gordinho” logo abaixo dos cílios, significa que ela tem um músculo orbicular mais espesso e forte que, ao se contrair, simula uma olheira. Para amenizar esse aspecto, é usada a toxina botulínica (Botox R) para diminuir a contração das fibras musculares. O tratamento dura no máximo seis meses.


4. Como o preenchimento melhora o aspecto da olheira?
Existem diversos preenchedores faciais. O mais próximo do “ideal”, atualmente, é o ácido hialurônico. Ele está presente em diversos tecidos do organismo, inclusive na pele, mas perde suas qualidades de hidratação e elasticidade com o tempo. Por isso quando confeccionado industrialmente possui ligações intercelulares mais estáveis (crosslinking) e pode durar até 18 meses. O ácido hialurônico é usado para preencher espaços entre as células e quando colocado no sulco nasojugal dá volume a uma área deprimida, refletindo mais luminosidade no local tratado, disfarçando as olheiras. 

5. Como a Blefaroplastia melhora o aspecto da olheira?
Nos casos em que há excesso de pele ou de gordura nas pálpebras, é possível corrigir por meio de uma blefaroplastia, cirurgia feita nas pálpebras. Atualmente, é um dos procedimentos cirúrgicos mais realizados por oftalmologista especializado em Cirurgia Periocular, uma vez que este profissional tem profundo conhecimento da dinâmica palpebral e das necessidades de proteção do olho.

É possível prevenir:

  • Dormir de 7 a 8 horas por noite;
  • Não fumar;
  • Consumir álcool com moderação;
  • Evitar coçar os olhos, pois a fricção pode levar ao rompimento de vasos sanguíneos e consequentemente ao escurecimento das pálpebras;
  • Usar protetor solar específico para a região dos olhos e evitar a exposição solar, mesmo que esteja usando protetor solar;
  • Diminuir o consumo de sal e sódio, pois essas substâncias levam à retenção de líquido, que pode impactar no inchaço das pálpebras.